<$BlogRSDURL$>

making of de um documentário na zs de sp

9/07/2004

25 de setembro 

Universo Paralelo, no Capão.

9/03/2004

Pirataria 2  

Há muito tempo, o estilo de consumo musical das periferias brasileiras vem se comportando de maneira totalmente diferente do padrão que as gravadoras aprenderam a controlar e do qual sabem tirar seus lucros. Num panorama como esse, é óbvio que um camelô de CDs piratas tem muito mais chances -não só pelo preço- de seduzir o público do que uma loja de discos oficiais, onde os produtos são vendidos quase sempre com a aura de obras de arte (mesmo há tanto tempo na época de sua reprodutibilidade técnica!) adequadas a um tipo de consumo sempre refinável e intensamente retroalimentável. Se o garoto quer comprar uma música ("aquela que fala assim: "Não sou audiência pra televisão"... Não sei quem canta...") para escutar umas três vezes -se muito- para que precisa de capa luxuosa, som perfeito ou letra completa (com relação completa dos músicos que tocaram em cada faixa) no encarte?

Trecho de um artigo do Hermano Vianna, publicado na Folha de São Paulo, no dia 13 de outubro de 2003.

Comentário do DJ Marlboro, no mesmo artigo:
"quando os camelôs e os piratas se aliarem aos músicos com contratos de exclusividade uma nova indústria fonográfica estará nascendo. "

9/01/2004

Viver no gueto, vixi 

X estava quase terminando de pagar a pena. Faltava menos de um mês.

Saiu no dia dos pais para visitar a família.
Na volta, chegou atrasado.
O carcereiro foi curto e grosso: você vai ficar aqui, na colônia, mais dez dias, aí volta para o regime fechado, sem prazo para sair.

X não pensou muito. Voltou para casa.

Por questão de minutos, X que já tinha um emprego em vista, entrou definitivamente para o mundo do crime.

"Universo Paralelo" - lançamento no Capão 

Dia 25 de setembro.

Em frente à estação de metrô Capão Redondo.

This page is powered by Blogger. Isn't yours? Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com